As Conquistas das Mulheres até o dia de HOJE! O dia delas. 👒

Impedida de votar, impedida de jogar, impedida de se expressar, com direitos apenas caseiros, impedida de se vestir como quer, falar o que quer e fazer o que quer. A sociedade sempre colocou padrões que excluíram de fato o sexo feminino e eles levaram anos para se desfazer. Contudo, nesse desfecho ainda é “comum” ver pessoas com pensamentos antiquados quanto à isso ou quanto à todos esses anos que se foram. A luta pelo reconhecimento, pelo direito, tudo está registrado aos números, aqueles que nunca foram ao nosso favor. O famoso “sexo frágil” que lutou e conquistou tudo que quis e que ainda sim, não para de lutar. Mas se ir a luta é ser frágil então que sejamos todos os dias e todos os próximos anos. Mulher, um acróstico composto por mãe, Ãºnica, aquela que sempre batalhou e que sem mais nem menos, é uma guerreira. Pra tudo, aos trancos e barrancos, aos choros de criança, as panelas no fogão, aos dias de tpm, com a roupa no varal ou no chão, sempre esteve de salto alto, com a maquiagem impecável ou o celular na mão. Mulher nunca deixou pra outra hora, se tem que fazer é pra fazer. Sem desculpas, sem enrolação. E que sempre seja assim, se precisar ela luta, e luta com razão. 

  • 1827: surge a primeira lei sobre educação das mulheres permitindo que frequentassem as escolas elementares, mas instituições avançadas ainda eram proibidas.
  • 1879: as mulheres foram autorizadas pelo governo de frequentar escolas de ensino superior. 
  • 1885: Chiquinha Gonzaga estreia como maestria em uma ópera. A primeira mulher a estar na frente de uma ópera no Brasil 
  • 1887:  formou a primeira médica brasileira: Rita Lobato Velho 
  • 1917: em plena República Oligárquica, a professora Deolinda Daltro lidera uma passeata exigindo a extensão do voto para as mulheres 
  • 1932: a primeira mulher do Brasil a participar das olimpíadas é Maria Lenk, a nadadora de 17 anos. 
  • 1933: eleitos 214 deputados Lara a Assembleia Constituinte e apenas uma mulher: Carlota Pereira 
  • 1980: surge o termo “Quem ama não mata” junto com os centros de autodefesa que foram criados contra a violência perante a mulher. 
Anúncios

2 comentários Adicione o seu

    1. Obrigada!!!! Beijos 💗

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s